Breve Historial

O Centro Social de Oiã (CSO) foi fundado em 1958 por um grupo de Oianenses liderados pelo Engº Agnelo Prazeres, que o denominaram inicialmente de Centro Social e Assistencial de Oiã. De acordo com o que vigorava nos estatutos, os objetivos primordiais da sua intervenção eram sustentados na assistência médica aos adultos, na proteção às crianças, na proteção às grávidas e na assistência às famílias necessitadas.

Durante largos anos, o CSO funcionou na exclusiva dependência económica das quotizações dos seus sócios e de donativos de particulares. A partir de 1972, entrou em fase de declínio no que respeita à ausência de financiamento para suportar os custos inerentes às despesas com os serviços que prestava à comunidade.

No entanto, em 1975, um grupo de sócios, entre os quais se destaca o Dr. Fernando Peixinho, após um levantamento das necessidades da população, recuperou as instalações que se encontravam degradadas, devido ao abandono a que tinham sido sujeitas e iniciou um intenso trabalho altamente profícuo ao serviço da comunidade.

Neste seguimento, foi decidida a criação de um serviço de Creche e Jardim de Infância, com o apoio financeiro do Centro Regional de Segurança Social de Aveiro, que se iniciou a 2 de Janeiro de 1978.

Após um longo e árduo trabalho junto de particulares e de entidades parceiras, em Setembro de 1985, os serviços de apoio à criança foram transferidos para o atual edifício que integra crianças de várias respostas sociais, nomeadamente, Creche, Pré-Escolar e Centro de Atividades de Tempos Livres.

Em 1984, iniciou-se a construção do Lar para apoio à Terceira Idade, que iniciou a sua atividade em Setembro de 1992 com a resposta social de Lar de Idosos e, em Maio do mesmo ano, com a resposta social de Centro de Dia. Presentemente, a Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI – anteriormente designado como Lar de Idosos) tem capacidade e acordo de cooperação com o Instituto da Segurança Social (ISS, IP) para 20 utentes e o Centro de Dia para 15 utentes.

No âmbito do apoio à Terceira Idade, o CSO, após o deferimento da candidatura ao POPH – Tipologia 6.12 – Apoio ao Investimento em Respostas Integradas de Apoio Social, iniciou a construção de novas infraestruturas com vista ao alargamento da capacidade da resposta social de ERPI para mais 10 utentes e à implementação de duas novas respostas sociais – Serviço de Apoio Domiciliário (30 utentes) e Lar Residencial para portadores de deficiência (13 utentes).

Missão

O CSO é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) sem fins lucrativos, tendo como missão/objetivos o apoio às crianças e aos jovens, à terceira idade, e à pessoa com deficiência estendendo o seu âmbito de ação, não só na freguesia de Oiã mas também a outras freguesias do concelho de Oliveira do Bairro.

Visão

O CSO pretende ser uma Instituição de referência na prestação de cuidados aos utentes, baseando a sua atividade em serviços de elevada qualidade, contribuindo para o seu desenvolvimento e bem-estar integral.

Tendo em vista uma permanente adaptação às necessidades da freguesia e do concelho onde se insere, decidiu-se alargar a sua intervenção a outras respostas sociais: implementação do Serviço de Apoio Domiciliário (SAD) e do Lar Residencial para portadores de deficiência.

Este alargamento e diversificação das respostas sociais provém do objetivo primordial do CSO em atender, sempre que possível, às necessidades e anseios da população.

Valores

Confiança

Criar um ambiente de confiança mútua, entre nós e os que nos apoiam, inspirando-nos na generosidade, partilha e respeito pelas especificidades de cada um.

Humanismo

A ajuda ao próximo representa um valor essencial na instituição e todas as atividades são realizadas tendo em conta esse fator, enfatizando a dignidade, as aspirações e as capacidades humanas.

Inovação

Pretende-se inovar em metodologias e equipamentos que permitam uma maior desenvoltura física e psicológica dos utentes, facilitando o funcionamento e alcançando eficiência em procedimentos.

Intercooperação

Preocupação com a cooperação entre os vários colaboradores da instituição, ao nível interno, e com as entidades parceiras, ao nível externo.

Qualidade

A preocupação com a qualidade deriva não só das exigências legais, mas também de uma forma de garantir o reconhecimento da instituição, bem como dos serviços que presta.

Respeito/Ética

Respeitar a condição e características de todos os que apoiamos e daqueles que connosco colaboram.

Responsabilidade Social Corporativa

Prática de ações que beneficiam a sociedade e a instituição, otimizando ou criando programas sociais, que acarretam benefício mútuo entre a instituição e a comunidade, melhorando a qualidade de vida dos colaboradores e da própria população.

Solidariedade

Acolher com carácter solidário todos os que recorrem aos nossos serviços, respondendo às suas necessidades e especificidades.

Sustentabilidade

Todas as atividades desenvolvidas tem como finalidade a satisfação total dos utentes, fator essencial para os reter e garantir a sustentabilidade e equilíbrio financeiro da instituição e das várias respostas sociais.